quinta-feira, 21 de abril de 2016

Conexão Planeta: O voo da Roda de Passarinho pelos biomas do Brasil


Renato cresceu em meio aos passarinhos. Mesmo vivendo na cidade grande, havia muitas aves na casa onde morava no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Eram atraídas ali pelas árvores frutíferas plantadas pela mãe, apaixonada pelos pássaros. Quando Renato e o irmão queriam comer frutas, a mãe dizia: “Pode deixar que eu compro, as dos pés são para os passarinhos”.  Renato diz que a mãe tinha um dedo verde, pois amava anatureza. Mal sabia o menino de então que, assim como a mãe, décadas mais tarde, a adoração pelas aves também faria parte de sua vida.
Fotógrafo autodidata, Renato Rizzaro trabalhou com propaganda e marketing durante muitos anos. Ainda jovem, saiu de São Paulo e rumou para Santa Catarina. Aos poucos, foi tentando inserir a educação ambiental na publicidade. Mas como eram ações pontuais, sentia que não conseguia desenvolver o que realmente queria.
Foi necessário o encontro com Gabriela Giovanka, sua parceira há 18 anos, para que Renato recebesse o impulso que faltava para largar de vez o mundo da publicidade e abraçar a educação ambiental. Mesmo sem perceber. Assim como ele, Gabriela gostava da natureza, e juntos, em 2001, compraram um pedaço de terra no município de Alfredo Wagner, na Serra da Boa Vista, a 80 km de Florianópolis. “Logo notamos que era um lugar muito especial. A área é um canyon e nela estão nascentes de diversos rios da região”, conta Renato. “Nossa mudança foi radical. Abandonamos o mundo da cidade e nos embrenhamos no meio do mato, como sempre imaginamos que deveria ser”.
Cientes de que aquela era uma área que deveria ser preservada, mas sem experiência para fazê-lo, o casal buscou parcerias com universidades e organizações não-governamentais ligadas ao meio ambiente. Depois de muito trabalho, em 2002, a propriedade, que tem 53 hectares, foi transformada em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) e passou a ser chamada de Reserva do Rio das Furnas. Nela, já foram identificadas mais de 200 espécies de aves. Segundo estudos, na reserva há ocorrência de diversos tipos de vegetação e por isso, oferta de frutos, flores e insetos variados, o que torna o local um refúgio ideal para pássaros.
Aos poucos, Renato e Gabriela sentiram a necessidade de incluir a comunidade local em atividades realizadas na reserva. Convidaram moradores a participar da limpeza de rios, do plantio de orgânicos. “Também fiz algumas exposições de fotografia para mostrar aos moradores a importância da preservação da natureza”.
Mas foi na escolinha da vila, que o casal vislumbrou uma oportunidade sem igual: envolver as crianças na questão ambiental. Uma vez por mês, voluntariamente, se reuniam com elas. Levavam livros de Botânica, slides, fotos, binóculos. Cantavam e tocavam instrumentos. Sempre em roda. “Nos dias em que chegávamos na escola, a gurizada já fazia festerê porque sabia que a gente ia desmontar a sala de aula”, brinca Renato. “Sempre tínhamos também uma saída para fora da sala de aula. Levávamos os alunos para a Reserva Rio das Furnas, para fazer a conexão das crianças com seu meio”.
Foi então, naturalmente, que nasceu o projeto Roda de Passarinho. Renato e Gabriela perceberam que o que as crianças mais curtiam e se encantavam eram com os pássaros. “Pouco a pouco, fomos aumentando nosso arquivo fotográfico com aves para poder compartilhar com elas”, revela o educador. As fotos eram feitas na reserva, que Renato considera seu mais importante laboratório.
Em 2010, entretanto, uma tempestade quase levou abaixo a iniciativa. A chuva foi tão forte na região que houve deslizamentos na reserva e muito foi destruído. Inclusive, o acesso a Rio das Furnas. Desolado, o casal decidiu colocar o pé na estrada. Quando estavam no Uruguai, em um rompante, pararam numa escola e ofereceram fazer uma Roda de Passarinho. Numa caixinha de madeira, estavam todas as fotos dos passarinhos, registradas por Renato, em Rio das Furnas. As crianças uruguaias adoraram a atividade!
E desde então, a Roda de Passarinho não parou mais. A Toyota Bandeirante foi transformada em casa, e com ela, Gabriela e Renato cruzaram o Brasil de Norte a Sul. Já passaram pelos mais diversos biomas brasileiros: Pantanal, Amazônia, Pampa, Cerrado e Caatinga, esta última, realizada em 2015, graças a um crowdfunding. Em cada um destes lugares visitados pela expedição, além da atividade educacional nas escolas públicas locais, o fotógrafo registrou os pássaros da região. A partir deste material, que contou com a colaboração de outros fotógrafos também, foram produzidos posters com imagens e informações das aves nativas destes biomas.
Muitas foram as experiências inesquecíveis, guardadas na memória destes dois apaixonados por aves. Uma delas aconteceu em Jatobazinho, no Mato Grosso do Sul, uma comunidade isolada, a duas horas de barco de Corumbá, navegando pelo rio Paraguai. “Jatobazinho é uma experiência que todo mundo devia ter. Foi uma Roda de Passarinho emocionante!”, relembra Renato.
E agora, qual o próximo voo da Roda de Passarinho? “Nosso maior objetivo hoje é distribuir estes posters das aves em todas as escolas brasileiras”, revela o fotógrafo. “Imagine todo este material na mão das crianças: fotos, vídeos, gravações de áudio?”.
Sim, Renato, conseguimos imaginar. Vai ser simplemente lindo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário